web
counter
– Processo de Gestão e Desenvolvimento" link="" url="http://photos1.blogger.com/blogger/5020/401/400/Figura7.jpg" ]

[SOA # 8] – Processo de Gestão e Desenvolvimento

Uma implementação SOA não deve significar a adoção de um conjunto totalmente novo de processos e métodos. Principalmente se a empresa contar com uma equipe relativamente estável e um conjunto de melhores práticas comprovadamente eficazes. O processo existente deveria ser customizado de forma a implementar atividades, perfis e produtos específicos de um programa SOA. A principal barreira para a adoção de um processo atual seria o fato deste não prover um ciclo de vida de desenvolvimento que seja iterativo e incremental. Um modelo waterfall, definitivamente, não é adequado para o desenvolvimento de Serviços SOA. Também é desejável que o processo utilizado seja [13]:

Cooperativo: aproxime a equipe de projeto com os futuros usuários dos serviços;
Direto: o método deve ser de fácil aprendizado e bem documentado;
Adaptável: fácil de ser customizado de forma a atender particularidades de determinado projeto;
Escalável: de forma que possibilite sua adoção em projetos dos mais variados portes e níveis de complexidade;
Orientado pela Arquitetura: ou seja, pressupõe que os produtos dos projetos em desenvolvimento fazem parte de algo maior e devem, conseqüentemente, respeitar os padrões fixados; e
Incentivador do Reuso de Ativos: uma conseqüência direta de sua orientação à arquitetura.

Não há um único processo no mercado que, em seu formato padrão, atenda todos os requisitos listados acima. Os 3 primeiros itens da lista mais as características “iterativo e incremental” configuram o que se chama de um “Processo Ágil”. Porém todos os mais conhecidos são indicados para pequenas equipes ou seja, não escalam. Já processos que atendem os 3 últimos requisitos da lista, como o Rational Unified Process (RUP), raramente são considerados “Cooperativos” ou até mesmo “Diretos”.

Uma combinação do RUP, Scrum e eXtreme Programming (XP) pode gerar um excelente processo para a gestão e desenvolvimento de Projetos SOA. Abaixo é apresentada uma visão geral deste modelo customizado.

Visão Geral de um Processo Customizado

Dos 3 processos listados acima, o RUP é o mais completo. Por isso muitas vezes é tido como excessivamente burocrático e “pesado”. Seus críticos, na maioria das vezes, desconsideram o fato dele ser bastante customizável. O RUP é a base desta sugestão exatamente por sua completitude e adaptabilidade. Geralmente ele é apresentado, em alto nível, da seguinte maneira [16]:


As disciplinas do RUP mais afetadas em uma customização para atendimento dos requisitos de um processo SOA são:

Modelagem de Negócios: que passa a gerar, como principal produto, o Contrato do Serviço que, por sua vez, é a base para elaboração do Backlog do Serviço (Produto, na terminologia Scrum). A captura de indicadores de qualidade e níveis de serviço esperados também merece destaque;
Implementação: que deve incorporar algumas práticas XP, particularmente a liberação de produtos em ciclos curtíssimos;
Teste: que incorpora testes específicos de uma Arquitetura Orientada a Serviços, como a validação da abrangência das interfaces expostas, potencial de reuso, dentre outros;
Implantação: que deve assimilar também todas as atividades de publicação dos Serviços, dentre elas o encapsulamento final dos artefatos e o agendamento da publicação;
Gerenciamento do Projeto: que é totalmente trocada pelo método Scrum. Veja mais abaixo.

Gerenciamento de um Projeto SOA

Como adiantado no sub-capítulo “Equipes de Projetos” acima, a responsabilidade pelo Gerenciamento de um Projeto SOA é compartilhada pelo Coordenador do Projeto e pelo Dono do Serviço (Product Owner, na terminologia Scrum original). O primeiro cuida de todas disciplinas previstas no PMBoK (Project Management – Body of Knowledge) exceto a “Gestão do Escopo”, que seria de responsabilidade exclusiva do Dono do Serviço*. Mas a adoção do Scrum como método para a gestão de um projeto SOA implica em mudanças ainda mais profundas na rotina de trabalho do coordenador de projetos.

Sua principal atividade pode ser vista como uma “obsessiva (extrema) gestão de riscos”. Ele deve buscar e eliminar todas as barreiras que estejam impedindo a equipe de atingir seu ponto máximo de performance. O diagrama abaixo expõe uma visão geral do processo Scrum adaptado para o desenvolvimento de projetos SOA:


Na etapa de Planejamento é compilada a primeira versão do Contrato do Serviço. Em tempo de desenvolvimento é desejável que este contrato seja a principal ferramenta de controle e acompanhamento do projeto. Para tanto ele deve contemplar também [3] :

• Estimativas de Custos e Prazos para o projeto;
• Plano de Desenvolvimento e das Iterações (Sprints);
• Definições de sincronismo com outros projetos;
• Plano de Testes; e
• Plano de Publicação.

O contrato é desenvolvido a partir dos requerimentos coletados pelo Analista de Negócios e de definições prévias oriundas do Comitê Gestor do Programa SOA. O contrato deve respeitar integralmente os Padrões SOA definidos por este comitê nos momentos iniciais do programa. É parte integrante do Contrato um desenho em alto nível da arquitetura do serviço. Por isso ele é elaborado em conjunto pelo Dono do Serviço e pelo Analista de Negócios.

A negociação final do contrato com as áreas usuárias é conduzida diretamente pelo Dono do Serviço. O processo pode prever uma etapa de revisão de contratos pelo Comitê Gestor, que ocorreria antes da elaboração do Backlog do Serviço. Esse backlog é desenvolvido pelo Dono do Serviço. Sua elaboração é acompanhada pelo Coordenador do Projeto, que pode discutir prioridades e definir a estrutura de divisão de tarefas. É também neste momento que as estimativas de prazos e custos podem ser refinadas, com apoio de integrantes das equipes de desenvolvimento.

A partir do Backlog do Serviço o Coordenador do Projeto elabora o Backlog do Sprint (Iteração), que é o plano de trabalho da próxima iteração a ser executada. Um sprint, na concepção original do método Scrum, é uma iteração com duração fixa de 30 dias. Apesar dos benefícios da fixação de um prazo comum para todas as iterações de todos projetos, entende-se que em muitos casos tal “regra” pode se tornar uma barreira a ser derrubada pelo Coordenador de Projetos. Um serviço, dependendo de sua granularidade, pode demandar ciclos de duração mais curta. No entanto trata-se de um excelente balizador para projetos mais complexos.

Um sprint contempla todas as fases tradicionais de um processo de desenvolvimento de sistemas, ou seja: engenharia de requerimentos, análise, modelagem, codificação, testes e liberação. No entanto, é vital que ao término de cada sprint aja uma nova versão do serviço em condições de uso, mesmo que ainda não estejam satisfeitos todos os seus requerimentos fundamentais.

Como mostrado anteriormente, a construção de um serviço normalmente envolverá o trabalho de dois times distintos: os desenvolvedores dos Frontends das Aplicações e os desenvolvedores dos Serviços propriamente ditos. É crucial que o backlog do Sprint contemple a total sincronização destas duas frentes de trabalho. O gráfico a seguir mostra um zoom de como deve ocorrer o Sprint [3] :


O processo prevê a realização de scrums diários, breves reuniões que ocorreriam sempre no mesmo local e horário. Nelas o Coordenador afere os progressos obtidos desde o dia anterior, refina a lista de riscos e impedimentos e ajusta o planejamento de atividades do dia. Radical, a proposta original do Scrum sugere que estas reuniões tenham a duração máxima de 15 minutos. O coordenador pode optar por realizar duas reuniões diárias, uma com cada time de desenvolvimento.

No último dia do sprint realiza-se uma reunião de revisão com a presença do Dono do Serviço, Analista de Negócios e representantes das áreas usuárias. O Coordenador e a equipe de desenvolvimento apresentam as realizações do último sprint. Neste momento o Dono do Serviço e o Coordenador do Projeto revisam o Backlog do Produto, registrando mudanças ou novas solicitações. A partir desta atualização o Coordenador elabora o Backlog do próximo sprint.

Quando todos os itens do Contrato do Serviço estiverem satisfeitos inicia-se a terceira e última fase do projeto, que na versão original do Scrum é chamada Postgame Phase. Neste momento o Serviço e respectivo Cliente são submetidos ao processo de certificação, que deve garantir a total adequação dos novos artefatos aos Padrões SOA.

Por fim temos o processo de Publicação, que envolverá o encapsulamento de todos os artefatos gerados e o agendamento da publicação do Serviço.

Representantes do Comitê Gestor do Programa SOA envolvem-se em três momentos de um projeto:

• Validando o Contrato elaborado na primeira fase;
• Acompanhando as Reuniões de Revisão, que no formato padrão ocorrem mensalmente; e
• Certificando e Publicando a versão final do Serviço.

O processo Scrum sugere que as equipes de projeto se auto-gerenciem, promovendo a livre interação entre todos os membros. O Coordenador do Projeto, mais que um “controlador”, é um Facilitador. Outra característica marcante do processo é a “blindagem” da equipe, que em seu dia-a-dia fica livre de influências externas. Este desenho valoriza todos os integrantes da equipe e pode representar consideráveis ganhos de produtividade.

Evolução do Processo

O Scrum é um modelo organizacional desenhado para a execução de projetos cuja previsibilidade é limitada [14]. Os princípios básicos que levaram ao seu desenvolvimento foram Flexibilidade, Adaptabilidade e Produtividade. A coincidência com os meta-requerimentos fundamentais de uma iniciativa SOA é total. Mas ambas propostas, tanto o Scrum quanto as Arquiteturas Orientadas a Serviços são relativamente recentes. Praticamente não existem referências do uso do Scrum em projetos SOA.

O trabalho mais recente de Jeff Sutherland [14] descreve a última evolução do Scrum, chamada “Tipo C”. As principais alterações referem-se à adoção de sprints simultâneos e a elaboração de um MetaScrum. Este meta-processo pode ser muito útil na gestão do Programa SOA, como sugerido neste artigo. E a habilidade de gerenciar múltiplos sprints pode ser crucial em uma iniciativa SOA que se encontre em um estágio mais avançado de maturação.

=================

3. “Enterprise SOA – Service-Oriented Architecture Best Practices”, Dirk Krafzig, Karl Banke e Dirk Slama
Prentice Hall (PTR) (2005).
14. Future of Scrum: Support for Parallel Pipelining of Sprints in Complex Projects”, Jeff Sutherland
Artigo (2005)
16. Rational Unified Process”, IBM Corp.
http://www-306.ibm.com/software/awdtools/rup/

* Na realidade, a versão original do Scrum prevê a existência de um terceiro gestor, não considerado nesta proposta.