web
counter
Ativos de Software

Ativos de Software

Continuação de “Reuso: Prática Sistemática“.

Um estoque de ativos de software, ou de ‘blocos de construção’, é uma das quatro características-chave do reuso, conforme citado na 2ª parte desta série. Este artigo apresentará uma definição para ativos de software, além de introduzir o padrão RAS (Reusable Asset Specification) para sua classificação. Também serão sugeridas adaptações para que o modelo seja utilizado em uma iniciativa SOA.

Definindo Ativos de Software

Ativos de software, particularmente quando se fala de reuso, não podem ser vistos apenas como códigos, módulos executáveis e licenças de uso. Todos os artefatos gerados durante o ciclo de vida de um software podem ser considerados e gerenciados como ativos. Requisitos, casos de uso, estimativas, modelos e programas para testes, dentre vários outros, podem ou devem ser tratados como ativos de software.

“Ativos são artefatos de qualquer natureza, gerados em qualquer momento do processo de desenvolvimento. ‘Ativo’ é uma palavra adequada já que os artefatos produzidos capturam conhecimentos que são importantes para a organização e, conseqüentemente, possuem um valor potencial. O reuso é uma maneira poderosa de se aproveitar esse potencial para agregação de valor.” [1]

O padrão RAS, tratando especificamente de ativos reutilizáveis, apresenta uma definição ainda mais simples e objetiva: “Ativo reutilizável oferece uma solução para um problema, em determinado contexto.” [2]

Existem dois tipos básicos de ativos de software:

  • Verticais: mais voltados para o negócio, são especialistas em determinado domínio. Por representarem conhecimentos que podem ser o diferencial de uma organização, eles são considerados ativos de maior valor.
    Exemplos: Cálculo de seguros; Credit Score; Reposição de estoques; etc.
  • Horizontais: representam elementos da arquitetura, sendo portanto mais voltados para a tecnologia. Por serem mais fáceis de serem identificados e reutilizados, são considerados ativos de menor valor.
    Exemplos: Componentes para interface gráfica com usuários; frameworks para acesso a bases de dados; Serviços de autenticação; etc.

O padrão RAS propõe a utilização de três critérios para uma completa classificação de um ativo. São eles:

  • Granularidade: determina o número de problemas endereçado por um ativo. Pode ser pequena, quando trata de um único problema. Um algoritmo para cálculo do dígito verificador do CPF ou uma combo box, por exemplo. Ou pode ser grande, apresentando soluções para um ampla gama de problemas. Um serviço de vendas, O framework Hibernate ou a própria especificação Java EE são exemplos de ativos ‘grandes’*.
  • Visibilidade (e/ou Variabilidade**): indica quanto de um ativo pode ser visualizado e manipulado. Apesar de algumas diferenças na nomenclatura utilizada, é consenso que existem 4 níveis distintos de visibilidade / variabilidade de um ativo:
    1. Caixa Preta: o ativo não pode ser alterado e seu interior não pode ser visualizado. Normalmente representa código binário – módulos executáveis adquiridos de terceiros.
    2. Caixa de Vidro (ou Limpa): detalhes da implementação são expostos (via modelos, documentação ou até mesmo o código-fonte), mas o ativo não pode ser alterado. A transparência visa exclusivamente o apoio na utilização daquele software.
    3. Caixa Cinza: interior do ativo é parcialmente exposto e manipulado, normalmente através de parâmetros. São componentes ou serviços desenvolvidos com o objetivo de serem reutilizados.
    4. Caixa Branca: o ativo oferece total visibilidade e variabilidade. Além da total disponibilidade do código-fonte, ativos com este nível de visibilidade também apresentam seus requisitos, casos de uso, modelos, e todos os demais artefatos relevantes gerados no processo de desenvolvimento.
  • Articulação: descreve o grau de completitude de um determinado ativo. Ou seja, o quão pronto um ativo está para a solução de um dado problema. Um conjunto de requisitos, por exemplo, está longe de solucionar efetivamente o problema. Diz-se que seu grau de articulação é baixo. Já um componente em sua forma executável apresenta um alto grau de articulação.

O gráfico abaixo ilustra a combinação dos três critérios apresentados acima na classificação de alguns tipos de ativos de software:

Etiquetas de Patrimônio

Como foi colocado na introdução desta série, todos os ativos físicos de uma organização merecem ferramentas e processos de administração e controle. Uma das partes mais visíveis desse controle são as etiquetas de patrimônio, que possuem códigos que facilitam a localização dos ativos em um sistema. Ativos de software podem merecer o mesmo tipo de gerenciamento. Principalmente em organizações que dependem muito de seus sistemas de informação. Mesmo quando o reuso sistemático não é um objetivo da organização, o gerenciamento de ativos de software deveria ser considerado. Trata-se de um item que pode ser relevante quando a organização estiver implantando processos de governança corporativa, por exemplo. (***Veja as observações no final do texto).

O padrão RAS foi criado exatamente para funcionar como essa ‘etiqueta de patrimônio’ para ativos de software reutilizáveis. Ele é estruturado em duas categorias: Núcleo (Core RAS) e Perfis. O núcleo representa todos os elementos fundamentais de um ativo. Os perfis são utilizados para descrever características específicas de um ativo. Por exemplo: podemos ter um ativo que gera orçamentos para o seguro de um automóvel; este ativo possui dois perfis distintos: um para sua versão off-line e outro para a versão web service. Uma etiqueta RAS básica, descrevendo apenas o núcleo, é ilustrada abaixo:


A seção Classificação apresenta todas as características básicas do ativo, inclusive o contexto no qual ele se insere. Solução relaciona todos os artefatos que compõem o ativo. A área chamada Uso contém todas as regras para customização, instalação e reutilização do ativo. Por fim, a seção Ativos Relacionados apresenta todos os ativos que possuem algum tipo de relacionamento com o item em questão.
Obs.: Na próxima parte deste artigo será apresentado o modelo completo para ‘etiquetagem’ de ativos de software.

É grande a similaridade entre uma etiqueta RAS e os contratos que regem o uso dos serviços em uma SOA. Se a primeira for elaborada dentro do padrão, e o segundo obedecer as melhores práticas sugeridas, obtém-se dois documentos (XML) bastante redundantes. Na realidade a etiqueta RAS parece ser um subconjunto de um contrato. Este apresenta um número maior de informações, relevantes principalmente em tempo de execução.
Obs.: Farei uma pequena pesquisa para saber como tal similaridade está sendo tratada.

[continua]

===

Referências:

  1. Practical Software Reuse
    Michel Ezran, Maurizio Moricio e Colin Tully
    Springer (2002).
  2. RAS – Reusable Asset Specification – Versão 2.2
    Object Management Group (OMG) (05/Nov/2005).

===

Observações:

* Confesso que o termo ‘granularidade’ cria algumas dificuldades. No inglês é trivial o uso das combinações “coarse-grained” e “fine-grained”. Mas a tradução literal não pega muito bem. Sugestões?

** ‘Variabilidade’ eu traduzi literalmente. Mas acho que deve existir uma palavra melhor na língua portuguesa. Mesmo que, como na especificação RAS original, ela continue sendo utilizada em combinação com o termo ‘Visibilidade’.

*** Sobre Gerenciamento de Ativos de Software

É importante notar que o Gerenciamento de Ativos de Software tratado nesta série de artigos difere-se substancialmente daquele que pegou carona na onda Governança, ITIL e afins.

Software Asset Management (SAM), conforme descrição obtida na Wikipédia (em 21/dez/06), significa: “um conjunto de práticas de negócio que incluem a gestão de licenças, gestão da configuração, padronização de imagens e concordância com restrições regulatórias ou legais, como leis de copyright, Sarbanes Oxley…”

O gerenciamento falado nesta série de artigos ‘desce’ o nível, incluindo em seu escopo itens tão pequenos como um requisito ou um componente de tela.