web
counter
O Analista de Negócios e o tal BABoK

O Analista de Negócios e o tal BABoK

Faz pouco tempo que descobri o BABoK (Business Analysis Body of Knowledge). Quem cuida dele é o IIBA (International Institute of Business Analysis). A descoberta aconteceu por acidente, no meio das minhas pesquisas. Usando o Google, não consegui achar nenhuma referência em língua portuguesa. Estranhei. Afinal, a versão atual (1.6) está disponível para download desde 12/jul do ano passado. A versão 2.0 está programada para este trimestre. Mas, como escrevi no meu material, “o analista de negócios não existe. Particularmente aqui no Brasil”. Normal. Quantos gerentes de projetos existiam há uns 10 anos? E quem conhecia o PMI?

O IIBA segue os passos do PMI. Ou seja, lança um ‘guia para o corpo de conhecimentos’ e, na cola, uma certificação. Tenho minhas restrições ao formato, mas elas ficam para outra hora. O lado bom é que a iniciativa pode ajudar a divulgar e, de certa forma, consolidar a profissão. Em tempos de altas ondas (SOA e BPM), passa da hora de percebermos que o Analista de Negócios desempenha funções cruciais.
[Meu próximo post falará sobre BDUF e a perigosa insistência de alguns que acham que ‘super-programadores’ generalistas dão conta do recado – dispensam os AN’s].

.:.


Mas o BABoK me assustou um pouco e decepcionou um tanto. Ainda não vi as alterações previstas para a versão 2.0, mas a versão 1.6 cobre, na minha opinião, apenas 50% do trabalho de um AN. Dos seus 8 capítulos, 5 cobrem exclusivamente as atividades de planejamento, desenvolvimento e gerenciamento de requisitos. O gráfico abaixo ilustra as áreas de conhecimento cobertas pelo BABoK:

“Enterprise Analysis”, segundo capítulo do BABoK, é descrita como “uma coleção de atividades pré-projeto que servem para capturar uma visão futura do negócio, formando assim uma base a a elicitação de requisitos e para o desenho da solução […]”.

Como já comentei aqui, e talvez seja uma falha minha, mas não consigo dissociar a Modelagem de Negócios da Engenharia de Requisitos. Lógico, são duas disciplinas diferentes. Mas elas compartilham “momentos”, independente do modelo de processo utilizado. E o BABoK não fala nada sobre Modelagem de Negócios. Se ela não é uma responsabilidade do AN, então é de quem?

Quero crer que, com a demanda gerada pelas ‘ondas’ BPM e SOA, o BABoK passe a contemplar atividades para modelagem de negócios e de processos de negócios em suas futuras versões. Melhor seria se a incorporação fosse motivada pela percepção de que o trabalho do AN não se restringe à coleta, análise e documentação de requisitos.

.:.

Como mostra o conteúdo programático do workshop promovido pela Tempo Real Eventos, a primeira metade do evento tratará exclusivamente da modelagem do negócio e seus processos. Apresentarei algumas práticas sugeridas pelo BABoK na segunda parte do evento.

.:.