Rendiconti :: O Projeto

Vamos conversar agora sobre como o negócio Rendiconti será desenvolvido. Pode não ter ficado claro no post anterior, mas a iniciativa é composta por duas grandes partes: a fábrica-gráfica, de tijolo, cimento e tecnologia; e o site.

A primeira já recebeu, há cerca de 2 meses, a maior parte do investimento necessário. Uma grande impressora laser já está em operação; o processo de produção já foi delineado; a pequena grande equipe já foi treinada. Esta parte foi antecipada exatamente para que a adequação à nova tecnologia aconteça bem antes da demanda que será gerada pelo site. Com um calculado efeito colateral bastante positivo: a gráfica (que, como eu já disse, pertence aos manos Cacá e Guz) ganhou outra fonte de receitas. Agora ela presta um tipo de serviço (popularmente conhecido como “gráfica rápida”) que é inviável quando se tem apenas impressoras ‘off-set’.

Merece destaque o maior (e, de certa forma desejado) risco: se a demanda proveniente do site for muito grande teremos problema de escala – e o prometido prazo médio de 3 dias úteis para a entrega das obras pode ser comprometido. Como a aquisição de mais impressoras está, por enquanto, fora de cogitação, foram traçadas duas alternativas:

  1. Outras gráficas da cidade (Vga!) possuem tecnologia similar. Receberão a demanda excedente;
  2. Se a demanda for grande também para elas, de duas uma: ou é boa o suficiente para justificar mais investimentos (impressoras), ou forçará uma parceria com uma gráfica de maior porte (no interior de São Paulo).

Só quando esta parte mais crítica e de certa forma mais cara foi resolvida é que teve início a 2ª parte do projeto: o site.

Há uns 4 anos sou um satisfeito freguês da Locaweb. Não tinha nenhum motivo para buscar outro hospedeiro. Meu servidor contratado, claro, é Linux. E isso gerou o primeiro requisito não-funcional do projeto: a arquitetura tecnológica do site se baseará em PHP e MySQL. Esta opção já cria um necessário filtro de eventuais fornecedores. Vale dizer também que o PHP me deixou muito bem impressionado desde o dia em que converti o finito para o WordPress. PHP 5, Ajax, MySQL, talvez algumas ‘frescurinhas’ em Flash – estes são os principais componentes da arquitetura tecnológica do site.

Também não tive nenhuma dificuldade para definir o arquiteto-desenvolvedor: Hailton Ferraz, de Lençóis Paulista e estudante da UNESP de Bauru. Ágil, enviou uma proposta objetiva e bastante clara. Profissional e rápido como poucas grandes e médias empresas sabem ser. Mas eu tinha outras motivações para ‘cravar’ este projeto no meio do interior e no meio acadêmico:

  • Como um Quixote bêbado espero dar uma contribuição, por menor que seja, para que o pessoal pare de “ir a São Paulo pra trabalhar”. O fluxo ganhou um “U-Turn” (tks! Stone, que passou no Intercine de ontem). Estamos no século XXI. Temos Internet. Temos banda larga (capenga mas temos). Ninguém precisa estar em Sampa para desenvolver projetos. Que nossas viagens para lá sejam só para passeio e encontros (profissionais ou não). Ou, no pior cenário, para breves estadias. E só!
  • O projeto do site é um excelente experimento. Por isso o 2º requisito não-funcional é fundamental: o projeto será 100% “open source”. Espero que ele seja estudado. Torço para que ele sirva como exemplo em diversas aulas. E vou utilizá-lo para trocar conhecimentos com a turma de Analistas e Desenvolvedores que convivem comigo no nosso grupo de discussão e no recém-nascido Fórum FAN.br. Imagine que exercício legal: estarei fazendo o papel do freguês! Vamos praticar: a modelagem do negócio e seus processos; o desenvolvimento e gerenciamento de requisitos; gerenciamento de projetos; um processo de desenvolvimento enxuto e ágil, iterativo e incremental; etc etc. Tudo de forma aberta: como eu já escrevi aqui, todos os artefatos gerados serão públicos – e liberados para uso.

Ô FUQ! (Frequently Unasked Questions):

  • Bah! Então o projeto vai demorar pra caramba, não?
    Não! Há um negócio aqui, não se esqueça. Por mais que pareça uma brincadeira, o negócio é sério. Aliás, parecer uma “brincadeira” – no sentido de ser divertido – é uma qualidade que todo projeto de software deveria ter. Desde que seja uma diversão séria!
    Então o projeto tem um prazo sim: que flutua* entre setembro e outubro de 2008.
    * Flutua tanto quanto o custo: a forma de aquisição (que ainda tratarei naquela esquecida série “Trabalhando em Casa”) é formalmente conhecida como “Aquisição Progressiva”. Há um chute inicial (como em 100% dos projetos), mas valores e prazos serão ajustados na medida em que o projeto evoluir.
    * Tento provar assim que aquele “mantra” que diz que só o escopo pode flutuar é pura “forçação de barra”.
  • E qual é o escopo do projeto?
    Mostrei no post de ontem que ele tem duas partes principais: o cadastramento de obras e a venda delas. Pouca coisa além disso já foi debatida. Como ocorre em praticamente 100% dos projetos de software, é impossível ter uma visão de todo o escopo em seus momentos iniciais. Neste momento (que em alguns processos é conhecido como “Incepção”) buscamos uma visão que chamo de “2km de extensão e 2cm de profundidade”. É parte dos exercícios.
  • Tanto barulho para um projeto de um cara só?
    O Hailton é o contratado, arquiteto e principal responsável pela execução do projeto. Mas quem disse que é um projeto de um cara só? Claro que estou pessoalmente envolvido em sua execução, não apenas como o (chato) freguês. Mas já tivemos a colaboração de uma dezena de “voluntários”. Talvez tenhamos contribuições de dezenas, centenas de pessoas. Quem pode dizer? O projeto é aberto e livre. Se for um bom imã, atrairá esforços até de onde menos esperamos. É esperar e ver no que dá.
  • E como se gerencia um projeto assim?
    Honestamente? Não sei. É meu primeiro projeto de verdade que nasce “open source” – livre. Ferramentas para a estruturação e gerenciamento do conhecimento (requisitos!) adquirido serão necessárias. Mas essa parte até que é facilmente resolvida com os repositórios conhecidos. O maior problema estará no processo de gerenciamento. Taí uma bela oportunidade de aprendizado.
  • Qual processo de desenvolvimento será utilizado?
    Enxuto e ágil, Iterativo e Incremental. Talvez a gente crie um nome para ele, mas isso não importa. Surrupiaremos as boas idéias (e práticas) de propostas como OpenUP, FDD e até XP. Mas não seguiremos nenhum processo de forma cega, como algumas pessoas (ainda) acreditam que seja possível. Neste momento só há um princípio (ou requisito) escrito em pedra: o processo deve facilitar o aprendizado, em todos os sentidos. Só!
  • Os modelos, tanto do negócio quanto do projeto, são um tanto românticos, não?
    Como dizia uma bela psicóloga que um dia me deu um tratamento (informal), “não há altruísmo”. É claro que eu espero ganhar muito com o projeto, em todos os sentidos. Há a perspectiva de um belo retorno financeiro. Há a publicidade “orgânica” – tanto do negócio propriamente dito quanto do meu livro que, claro, representa a nova ponta-de-lança do meu “lucro” (daquele papo “Troco – Lucro – Truco”). E, obviamente, espero aprender muito – particularmente com o projeto. Ou seja, não sou assim tão “bonzinho e generoso”.
  • E se der tudo errado?
    Tudo é muita coisa. No pior cenário todos os envolvidos terão aprendido alguma coisa. O projeto é relativamente simples e “barato” (não estou apostando minha vida nele – meu negócio principal (meu lucro), o finito, seguirá com ou sem o Rendiconti). Mas, de certa forma, “aposto” meu nome aqui. Falhas no projeto ou no negócio, com certeza, gerarão uma péssima impressão. Mas… como dizia o saudoso e vitorioso Vicente Matheus: “quem sai na chuva é pra se queimar”.