web
counter
Você não pode julgar um livro pela capa

Você não pode julgar um livro pela capa

Título surrupiado / traduzido de “You Can’t Judge a Book by its Cover”, de Willie Dixon. Um blusão gravado originalmente por Bo Diddley, em 1962. Pura verdade. Não fosse, eu nunca teria conhecido aquele que citei no último artigo como o melhor livro de TI e gerenciamento de projetos que já li, “The Art of Project Management“, de Scott Berkun. Saca só a capinha aí do lado: mais feia e enigmática impossível, não?

Mas a frase do Willie não deve servir de desculpa para que a capa e toda a programação visual de um livro sejam relegados ao 2º plano. Estética, beleza – são preocupações que devemos ter em tudo o que fazemos. Não sou bom nisso, mas sei apreciar um trabalho bonito. E criticar a feiúra alheia…

Há tempos contatei uma empresa de design “maluca”, que participa do SP Fashion Week, decorou alguns dos principais restaurantes de Sampa e tem um espírito criativo sadiamente distante do nosso insípido e gelado mundinho de TI. Meu único requisito: não quero que meu livro se pareça com um livro de TI, particularmente os tupiniquins. Tem bobo aí que vai dizer que isso é papo de boiola e coisa e tal. Breve e única resposta para eles: a forma deve refletir e valorizar o conteúdo. Não é só uma questão de linhas e cores, mas de conceito, de integridade. Mas eu não quero falar só de programação visual, e sim de tudo que gira em torno do formato de um livro.

O livro impresso é uma das invenções mais longevas da humanidade – de Gutenberg pra cá já se foram 572 anos! A tecnologia de impressão mudou bastante, mas o produto final quase nada. E nenhuma edição digital conseguiu nos dar a manuseabilidade de um livro ‘normal’. Uma leitura de verdade se faz com um livro em mãos, passando suas páginas de uma forma que para outros olhos parece ser uma coisa aleatória e desprovida de lógica. Um livro ‘de verdade’ pode ser marcado, rabiscado, anotado. Um livro de fato lido fica gasto, meio manchado. E não raro tem memória: costuma abrir exatamente naquelas páginas mais necessárias em determinados momentos. Ok, meu papo soou um tanto romântico. Mas quem lê de verdade sabe do que estou falando. E apronta com seus livros algo parecido com o que faço com os meus. Meus livros não recebem o mesmo cuidado que os discos e DVDs. Mas sua valorização, por visitas e amigos, é realmente inversa. Os mais surrados são aqueles de maior valor. Meus amigos sabem. E os livros não me deixam mentir.

Livro lido é livro gasto.Durante o projeto do livro fui confrontado com duas questões que, a princípio, estavam totalmente fora do meu escopo. A primeira referia-se ao modelo do negócio, a forma como eu esperava comercializar e distribuir o livro. Dela brotou o projeto Rendiconti, cujo lançamento obedece ao mesmo cronograma do livro: lançamento em 25 de março do ano que vem.Sobre isso eu já falei em duas ocasiões:

Nos últimos meses, já prestes a entrar na última curva do projeto, outra questão passou a me incomodar: o formato do livro. Desde o início trato este projeto como se fosse um projeto de software. Aí, quando vislumbrei o produto final, algumas dúvidas surgiram como baldes d’água morna: como se atualiza um livro texto? Caso sejam necessárias as publicações de patches e service packs, como elas seriam? Daqui derivei outras dúvidas, e delas requisitos.

Todos os livros que tenho morrem em si: apesar da possiblidade de erratas e extensões mais modernas, como web sites, aquele produto é fechado. O leitor pode rabiscar e corrigir. Mas o autor não consegue fazer mais nada com sua própria obra. Normalmente os autores lançam novas edições. Scott Berkun, por exemplo, chegou a trocar até o título na última edição de “The Art of Project Management”. Agora sua obra-prima se chama Making Things Happen. Que baita service pack, não? Acontece que os dois volumes que tenho aqui comigo não podem ser atualizados…

Mergulhei nessas questões e fui aumentando o ‘espaço do problema’. Meu livro é de fato um guia, um guia de referência. Quero que ele esteja sempre à disposição do Analista de Negócios, para consultas pontuais. Daí imaginei que o AN queira fazer suas intervenções no próprio livro. Ao invés dos famigerados (e temporários) post-its, por que não um espaço para notas e observações? Melhor: e se o AN puder inserir páginas inteiras em seu livro texto (da mesma forma como ele pode customizar um bom software)? Se este requisito for atendido, ele facilita demais a realização de outro: a possiblidade de atualizar trechos do livro. Saca só o caso de uso: o chato autor aqui resolver atualizar o capítulo sobre Desenvolvimento de Requisitos. Ele publica a atualização (na loja Rendiconti. lógico) e a deixa disponível para todos que já adquiriram o livro. O cliente pode baixar a versão digital (gratuitamente) ou adquirir a versão impressa (daquele único capítulo). O próprio cliente encaderna o novo capítulo, substituindo a versão que ficou defasada. Jóia, não? Puxa, como eu gostaria de ter tal alternativa em meus livros. Mas… como realizar tal requisito?

Um livro atualizável: por que não?É claro que a encadernação tinha que ser totamente diferente. Nova? Quem conhece a IOB sabe que isso tá resolvido há muito, muito tempo. Não consegui descobrir, mas acho que as “pastas Z” têm quase 100 anos. Mas, por favor, não pensem naquelas pastas antiquadas e feiosas que você vê no escritório do seu contador. Dê uma olhada na pastinha ao lado. Que tal?

E se ela for também a capa das apostilas? Assim, todos os participantes dos cursos e oficinas, caso se interessem, compram só o miolo do livro. E aquele espaço ali para um DVD… e se tiver uma edição com uma versão integral de uma palestra ou curso? E se… Ok, as possibilidades são várias.

Mas, é claro, tanta conveniência tem um preço. E eu não posso simplesmente ignorar aquele público que quer a opção de um livro “normal”. O jóia é que na loja virtual Rendiconti ele poderá escolher a encadernação que mais lhe agrade.

Entendem agora como um projeto atrasa tanto? Olha como o escopo mudou. Será que eu conseguiria pensar nisso tudo lá no início, quando estava só preocupado em escrever o livro? Não sei. Mas não me arrependo de nenhuma decisão. O atraso de (quase) um ano será compensado com um produto muito, muito melhor. Ops… bom, quem vai dizer isso são os leitores. Ops.. leitores não, Usuários do Livro.