web
counter
Crise no Mundo Ágil. Que Crise?

Crise no Mundo Ágil. Que Crise?

Sabe aquela sua colega que parece ser a única num raio de 500km que conhece e gosta de uma obscura banda de rock belga? Lembra-se como ela se revoltou e desgostou quando a banda assinou contrato com uma grande gravadora? É o mesmo caso daquele amigo que era fanzaço de um diretor de cinema chinês, mas desistiu da idolatria quando o cara resolveu fazer um filme em Hollywood: “O cara se vendeu”. Todos conhecemos gente assim, que gosta de coisas muito diferentes, distantes do universo pop(ular). Pessoas que se sentem traídas quando seus modelos ou ídolos tentam falar para um público maior, tentam atingir mais pessoas.

Desconfio que algo muito parecido esteja acontecendo agora, naquele universo que surgiu após o big-bang do Manifesto Ágil. Dois excelentes artigos, de José Paulo Papo e Rodrigo Yoshima, ajudaram a alimentar minhas suspeitas. Além de um bate papo bem legal que rolou sobre a possível morte do RUP (Rational Unified Process) no grupo UML-BR.

O Yoshima está certo: RUP e Agile compartilham hoje uma mesma tendência. Mas seria a de morrer? Márcio Tierno, o MT, fez um diagnóstico diferente ao falar especificamente sobre o estado atual do RUP:

Acho que o RUP, pior do que estar morto, entrou para o mainstream. Hoje um cliente ou usa um processo waterfall ou usa um processo *pretensamente* baseado no RUP.

E entrar para o mainstream significa ter sua evolução freada. Ninguém entendia direito o RUP. Poucos dos que o “adotaram” em suas empresas se deram ao trabalho de ler a última versão e entender. Os “metodologistas” das empresas sempre gostaram do RUP exclusivamente pelos artefatos, pela sensação de controle e pelo tamanho. Jamais pela iteratividade.

Surrupiei do Google Trends alguns dados que de certa maneira confirmam as palavras do MT e solidificam minhas suspeitas. Veja os gráficos abaixo:

Tendências para RUP, Agile e Scrum no mundo

Tendências só no Brasil

Azul = RUP | Vermelho = Agile | Laranja = Scrum

O primeiro gráfico abrange o mundo todo. O segundo levou em consideração apenas as buscas e notícias realizadas no Brasil. O Google Trends faz exatamente isso: mostra a quantidade de buscas pelos termos. Não pode ser considerado ao pé da letra, afinal Scrum e Agile significam outras coisas para outras pessoas. O que não tira totalmente o valor do indicativo de tendências.

E o que os gráficos nos mostram? Uma queda constante porém gradual no interesse pelo RUP e um crescimento vertiginoso nas buscas pelo termo “agile”, particularmente aqui no Brasil. Seria isso um indicativo de morte? Só para aqueles que, como os fãs de bandas e diretores obscuros, gostariam de permanecer num grupo pequeno e muito restrito.

Eu entendo e compartilho o que acredito que sejam as principais preocupações do MT e do Yoshima. Ao se transformarem em artigos pop – ou “carne de vaca”, para usar um termo bem nosso – RUP e Agile saem do controle. Do nosso controle. E não serão poucos os que irão distorcer, desfigurar e desmontar os valores e princípios que caracterizam e definem essas propostas. Aliás, preciso confessar, eu sou um deles. Tanto que já fui criticado, aqui mesmo no finito, por chamar de “bullshitagenzinhas ágeis” algumas das práticas sugeridas. Falei de práticas, não de princípios e valores. Mas isso não importa. O que importa aqui é saber se é mesmo o caso de decretar a morte do RUP ou do Agile.

Se o RUP é muito mal utilizado, e de fato é, boa parte da culpa é dos seus criadores e evangelistas. Já mostrei por aqui como o RUP foi uma verdadeira metamorfose ambulante desde o seu lançamento. Alteraram sem pudor seus princípios, causando confusão. O artigo do José Papo mostra que agora a versão 7.5 tem um “Agile Core”. Não estou dizendo que o RUP não deveria evoluir. Estou afirmando que a evolução foi mal conduzida (parece improviso) e muito mal comunicada. O que não isenta, claro, os cabeças de pamonha que fizeram dele uma cascata iluminada.

O universo Agile pode e vai sofrer com problemas semelhantes. Cabeças de pamonha estão longe da extinção. Mas o caso aqui é diferente. Os valores e os princípios consolidados no Agile Manifesto permanecem os mesmos desde o dia 13 de fevereiro de 2001. E eles não sofrem com um dono nem com as pressões comerciais que este faria.

Esqueçamos por alguns minutos os Pamonhas e suas cascatas e contratos a preço fechado. Cabe aqui uma autocrítica por todos aqueles que defendem o manifesto:

  • Será que estamos sendo didáticos o suficiente?
  • Não somos impacientes demais para explicar, por exemplo, por que uma iteração não é uma mini-cascata?
  • Será que, ao invés de explicar, não estamos detonando demais o “outro lado”. Vide meu termo acima: Pamonha!
  • Não estamos sendo religiosos e puristas demais?

Meu maior temor é que os agilistas de hoje se comportem como os cascateiros de ontem. Não concordo com o MT quando ele diz que “mainstream significa evolução freada”. Oras, se no contexto de um projeto estimulamos (ou forçamos) a participação de todos, exatamente para gerar mais ideias e inovações, por que numa escala maior esta mesma prática seria nociva – por que ela geraria o efeito contrário?

Se de fato nós acreditamos que RUP e Agile são as respostas para melhores projetos, não faz o menor sentido o medo de que essas propostas se transformem em suculentas “carnes de vaca”. Ou nós queremos seguir como os raros fãs de obras cult que ninguém conhece?

.:.

A foto utilizada neste artigo, “We Love Crisis”, é de Daquella Manera (Daniel Lobo), fotógrafo profissional que disponibiliza alguns de seus trabalhos como Domínio Público.