Irritando o ‘seu’ Moreira

As conversas que se desenvolveram a partir do cruel “Assassinato de um projeto pelo Covarde seu Moreira” não aconteceram aqui e sim no grupo AN.br. Em um futuro artigo desta ‘saga’ eu destacarei os principais pontos. Mas você não precisa esperar. Veja o papo e participe dele nesta thread. Hoje, brincando com a não linearidade do ‘causo’, conheceremos outros fatos relevantes além daqueles nem tanto assim, muito pelo contrário, ora pois.

Como ficou entendido no episódio anterior, uma empresa foi contratada para desenvolver um “sisteminha de éss éff êi”, ou automação de força de vendas. Eles tiveram três dias (úteis!) para entender o problema, elaborar a proposta e negociar condições e restrições. Este que aqui rabisca tem o hábito de exagerar alguns pontos, exatamente para destacar absurdos. Mas já vivi situações mais draconianas que aquelas de alguns casos. Numa grande seguradora, por exemplo, já recebi uma demanda na tarde de uma bela (e ensolarada) sexta que deveria ser respondida na forma de uma proposta (“preço fechado, cara pálida”) na tarde da segunda-feira seguinte. Nossa área é repleta de gente que curte emoções fortes, adrenalina pura. Gente que não tem a menor noção dos riscos de suas demandas (ou propostas). Enfim… sigamos com a saga do ‘seu’ Moreira.

A empresa que venceu a concorrência foi aquela única que insistiu na alocação de um analista de negócios para o entendimento do problema. Analista e seu superior imediato creditavam a vitória ao diferencial da colocação de um especialista no entendimento de requisitos. Na realidade, eles ganharam a concorrência por W.O.: as outras duas empresas convidadas não enviaram suas propostas no prazo combinado. E o Moreira tinha pressa.

O analista, ciente do curto prazo, pediu um dia inteiro na empresa do Moreira. Queria fazer uma “imersão”. Mas acordou tarde; pegou um trânsito daqueles; se perdeu (“miolo da zona norte não é mole não, mano!”); e só chegou ao compromisso após o almoço. Se desculpou com o sobrinho (do Moreira) e com o contador e disse, confiante: “Tudo bem. Tudo o que eu preciso é de uma fotografia de 2km por 2cm do negócio. É fácil ‘tirá-la’ em 4 horas”. Os dois interlocutores ficaram olhando a mochila chique do analista, buscando por uma possível máquina fotográfica de última geração. “Não”, explicou o sorridente analista, “é só jeito de falar. Essa fotografia é uma visão de todo, sabe? Hoje não quero detalhes, apenas uma ‘visão panorâmica’ do problema de vocês. Então, vamos começar? Qual é o problema?”

Vou poupá-los daquela lenga-lenga que parece caracterizar 8 em cada 10 projetos de software. Para possibilitar o acompanhamento pelos leigos e céticos, uma rápida descrição do que aconteceu entre o parágrafo acima e o que vem a seguir:

  • O analista de negócios levantou um monte de informações de maneira totalmente desestruturada;
  • O time reclamou um pouco, fingiu que entendeu e começou a codificar;
  • O gerente de projetos passava toda manhã atualizando o Project;
  • As tardes de segunda a quinta em reuniões para entender porque o projeto estava atrasado;
  • E as tardes de sexta explicando para o ‘seu’ Moreira as razões dos atrasos.

Moreira, sempre acompanhado dos fiéis escudeiros sobrinho e contador, escutava as explicações com atenção. Há muito desistira de interromper o gerente de projetos para pedir explicações sobre termos enigmáticos. Anotava tudo e depois submetia a lista ao çábio* sobrinho. Lá pela 4ª ou 5ª reunião de justificativas não conseguia mais esconder a irritação. O que preocupava seus colaboradores: Moreira tinha pressão alta. Esfregava as ásperas palmas da mão como se quisesse arrancá-las. Estralava os dedos a cada dez minutos, o que sempre chamava a atenção do gerente de projetos. Era uma deixa para que ele avançasse na pauta, sempre em tom otimista. A relação se deteriorava a cada reunião. Mas o ‘seu’ Moreira sempre as encerrava da mesma maneira: “Tudo o que eu queria era dobrar o número de clientes visitados”.

{continua}

.:.

O que é arriscado mas ao mesmo tempo muito divertido neste tipo de exercício é o fato do autor não ter controle total sobre o desenrolar da trama. Várias questões registradas em nossa conversa me pegaram de surpresa. No evento ao vivo, no “Jogo dos 7 Erros“, minha margem de manobra será bastante limitada. Cada exercício deve durar exatos 60 minutos. Por isso haverá um tema fixo para cada um deles. No causo do ‘seu’ Moreira podemos destacar dúzias de erros – a maioria tão óbvia quanto naquele jogo para crianças. Redigi assim para permitir que os participantes não perdessem muito tempo na identificação daquilo que realmente importa. Os ‘causos’ que serão levados para os novos eventos serão um pouco mais enxutos. Mas tão divertidos quanto este aqui.

Me esqueci de dizer no primeiro episódio que a história acima se baseia num caso real. Claro que maqueei ramos de atividades, nomes e endereços para evitar que gente inocente morresse. De vergonha.

* Aprendi a escrever çábio assim, com “ç”, com o Elio Gaspari. Existem sábios e çábios, né sabiá?