(Pensando alto sobre) Arquitetura Corporativa

(Pensando alto sobre) Arquitetura Corporativa

Segunda parte da palestra “O Futuro não é mais como era Antigamente“. O título original desta seção era “O Cérebro Eletrônico faz (quase) Tudo”. Mas vou poupá-los do resumo da saga¹. Este artigo vai tratar especificamente do tema que não consegui articular como gostaria no Seminário Engenharia de Software. Vou escrever (ou pensar alto) sobre Arquitetura Corporativa – aquela coisa abstrata que normalmente vem acompanhada de uma piadinha: “parece cabeça de bacalhau; Todo mundo sabe que existe mas ninguém nunca viu”.

.:.

Arquitetura, segundo o Houaiss, é 1. “arte ou técnica de organizar espaços e criar ambientes para as diversas atividades humanas”, ou 4. fig. “conjunto de elementos de um todo; estrutura, natureza, organização”. Uma arquitetura corporativa deveria representar todos os elementos da organização. É esta última frase que bagunça o coreto. Como representar “todos os elementos de uma organização”? Seria a arquitetura corporativa um tipo de documentação, de representação de coisas que existem no mundo real? Se for a representação de *todas* as coisas, não espanta que ninguém tenha visto uma. Por isso peço sua atenção para a primeira definição acima. “Arte ou técnica” – 97,8% técnica, em nosso caso; “de organizar espaços e criar ambientes” – estruturando todos os elementos de um conjunto; “para as diversas atividades humanas” – para as atividades e fins de um negócio, se estamos falando sobre Arquitetura Corporativa.

Lá nos idos de 40 a.C. um tal de Vitrúvio, arquiteto e engenheiro romano, cismou em fixar algumas regrinhas para construções. Pelo jeito fez um bom trabalho, já que é ensinado até hoje. Dos dez volumes que ele batizou “De Architectura” só nos interessa aqui uma pequena definição: a tríade vitruviana. Ela fixa três elementos fundamentais da arquitetura:

  • Firmitas: solidez e estabilidade;
  • Utilitas: conveniência e utilidade. (Funcionalidade!);
  • Venustas: beleza, gosto estético.

Se um dia resolvemos trazer “arquitetura” para nosso meio (TI), deveríamos ter importado também um comprometimento com as três características listadas acima. Afinal, elas são peças fundamentais da disciplina que incorporamos. Portanto, uma arquitetura corporativa deveria ser sólida, estável, útil e bela. Agora, faça uma breve análise dos negócios que você conhece. Faça de conta de que existe uma radiografia que sintetiza a arquitetura de uma determinada organização. Ela passaria pelo teste da tríade vitruviana? Não precisa responder. A menos que sua resposta seja ‘sim’. Assim vou pedir referências, CNPJ, “nada consta” e RG de todos os envolvidos.

Não se trata de um julgamento negativo demais e sim de um “choque de realidade”. Um negócio, qualquer negócio, é feito de muita adaptação e improviso. O dinamismo que só faz crescer desde o início do século passado impõe uma dificuldade que a arquitetura “clássica” nunca enfrentou. Pelo que sei, nunca foi solicitada uma edificação que: i) se adaptasse instantaneamente às mudanças em seu ambiente; ii) influenciasse seu ambiente; e iii) suportasse os usos e mal usos mais improváveis e inconsequentes.

Devemos concluir então que esse papo sobre “arquitetura corporativa” é pura balela e ponto final? Acho que não. Equivocada é a intenção de documentar extensivamente a arquitetura total de um negócio. Mais bola fora ainda é a documentação pela documentação, mera burocracia. A primeira pergunta que deveria ser feita é: por que precisamos falar sobre arquitetura corporativa?

Todo negócio é uma viagem. Claro que não no sentido pejorativo que ficou comum nos últimos anos. Um negócio é uma jornada sem fim (pré-determinado) que de tempos em tempos renova seu destino (sua Visão). Condições do tempo e do terreno, cada vez mais instáveis e movediços, tornam a viagem e seu planejamento cada vez mais difíceis. A arquitetura corporativa, se bem elaborada, pode funcionar como mapa e bússola. Mas, afinal, o que é arquitetura corporativa? Como ela é desenhada, se é que é desenhada?

Uma busca na Internet pode lhe dar dezenas de boas sugestões. O Zachman Framework, por exemplo, sugere um consistente modelo para a elaboração da arquitetura corporativa. Aqui vou apelar para uma visão mais simples, para o que chamo de “básico do básico”. Gosto de ver o desenho de uma arquitetura como se fosse um belo sanduíche. Belo mas simples, um cheeseburger. Que é formado por quatro partes apenas:

  • Arquitetura Tecnológica: ou “o que eu tenho”. São os ferros (hardware) e caixinhas (software) que compõem a infraestrutura tecnológica da organização;
  • Arquitetura de Informações: ou “o que eu sei”. Trata de dados, informações e conhecimento explícito, aquele que está registrado de alguma maneira no negócio.
  • Arquitetura de Aplicações: ou “o que eu faço”. Compila todas as funcionalidades oferecidas ao negócio na forma de sistemas aplicativos.
  • Arquitetura do Negócio: ou “Por qual razão e pra quem?”. Dá sentido para as três camadas (arquiteturas) inferiores. Justifica (ou não) cada aplicação, informação e componente de infraestrutura.

Esta visão de alto nível atende parte da definição de arquitetura que vimos no início do artigo. Os “espaços” estão organizados. A partir dela conseguimos entender “estrutura, natureza e organização” dos elementos que formam a arquitetura corporativa.

O desenho permite até algumas elocubrações e provocações. Por exemplo: Nicholas Carr (aquele do “IT Doesn’t Matter”) defende no livro “A Grande Mudança” (Landscape, 2008) que é questão de tempo para as empresas se livrarem da camada mais baixa do sanduíche, a arquitetura tecnológica. Aqueles “serviços” seriam oferecidos por grandes empresas, em um modelo muito parecido com o das distribuidoras de energia elétrica. Sua tese faz um certo sentido, mas qual o impacto nas camadas de cima? Ah, elas seriam terceirizadas também.  Opa, elas já são. Mas em fatias verticais, da mesma forma como repartimos um sanduíche de verdade. Ofertas assim são conhecidas como BPO, ou Business Process Outsourcing. Deixando as infinitas possibilidades de lado, voltemos ao tema central.

Como são formadas cada uma das arquiteturas? As três camadas técnicas – Arquitetura Tecnológica, de Informações e de Aplicações – podem ser representadas por um ou mais diagramas específicos. A UML, por exemplo, oferece diagramas que podem representar muito bem cada uma delas. Importante aqui é o bom senso para se limitar a representar apenas os elementos principais, fazendo vista grossa para detalhes finos (sic). Desafiadora aqui é a ligação entre as quatro camadas, as relações entre elementos de infra, informações, aplicações e do negócio. Desafiadora porque é aqui que encontramos incontáveis ligações ponto a ponto (macarrônicas), vergonhosas redundâncias e incômodos buracos negros. Mas não é por aqui, pelas três arquiteturas técnicas, que o trampo deve começar.

As três camadas técnicas só existem para suportar um negócio. Parece lógico que o desenho de uma arquitetura corporativa comece pelo entendimento e delimitação da arquitetura do negócio. Como estourei meu limite de 1000 palavras, uma sugestão para o desenho desta arquitetura fica para o próximo artigo. Inté!

.:.

Observações:

  1. Ok, tá aqui o resumo da saga: Era uma vez… lá na nossa pré-história acreditávamos em um colossal e monolítico “cérebro eletrônico”. Décadas depois testemunhamos o esfacelamento e distribuição do “cérebro” em peças cada vez menores e em locais dos mais inusitados. O que nos traz para uma das cinco supertendências apontadas pelo ZapThink: a interoperabilidade profunda. Em poucas palavras: esses pequenos cérebros ou pedaços de cérebro devem aprender a interagir e conversar entre si da maneira mais natural possível. Talvez este não seja o principal desafio dos novos tempos, mas com certeza é o mais instigante: “Como assim, meu tênis vai conversar com meu carro, minha casa e meu iPod?!?”
    A pergunta que fiz e não respondi naquela palestra foi: nossas teorias e práticas (sobre Engenharia de Software) resistem ao confronto com as novas pessoas, tecnologias e arquiteturas?
  2. A imagem utilizada neste artigo foi desenhada para o trabalho “De Architectura”, de Vitruvius, e obtida na Wikipédia.