web
counter
Pelo Prazer de Aprender – Parte 2

Pelo Prazer de Aprender – Parte 2

Uma boa aula nos leva para cima, numa diagonal que combina ação e validação. Ela valoriza a exploração em detrimento da decoreba. Requer gente ativa e até indisciplinada ao invés de passivos ouvintes. O artigo anterior apresentou um modelo de aprendizagem e um processo. Agora vamos conversar sobre a estrutura de um projeto de aprendizagem.

Antes, porém, preciso responder a pergunta colocada no artigo anterior: Se a ideia é utilizar o Scrum como peça fundamental do modelo de aprendizagem, quem é o Dono do Produto? Esse papel, como o nome sugere, é fundamental. Ele é o dono do que será criado pelo projeto. É o maior INTERESSADO em sua eficácia. Colocando assim, ficou mais fácil? Pois é, o Dono é o próprio ALUNO¹.

Porque é ele quem tem um problema a resolver. Por exemplo: iniciar uma carreira de analista de negócios; desenvolver requisitos; gerenciar projetos; escrever um livro; programar em Python; tocar violão em festinhas; preparar pratos típicos da cozinha mineira; dançar cumbia e salsa; fabricar cervejas; cultivar frutas e ervas; desenhar negócios; pensar sistemicamente; elaborar projetos de aprendizagem… Exagero para mostrar a flexibilidade do modelo proposto.

Todos os exemplos acima são Trabalhos a Executar² (JTBD — Jobs to be Done). Um bom projeto de aprendizagem mira um trabalho específico. Elaborado como na figura ao lado. O quê é colocado como um verbo + substantivo. A motivação deve ser clara.

Delimitado o trabalho a executar, podemos iniciar o desenho da aula. No primeiro estágio detalhamos dos RESULTADOS DESEJADOS. Sem reinventar rodas, falamos em conhecimentos, habilidades e atitudes. Nos preparamos para: “eu não sei/não conheço”, “eu não sei fazer”, “eu não quero fazer”.

Essa divisão é tão crucial quanto mal entendida³. Existem aulas puramente teóricas, chatas pra chuchu. E outras aparentemente divertidas, repletas de atividades. São rasas e frouxas ao desconsiderar os princípios, conceitos e histórias que dão sustentação para as ferramentas e métodos aplicados.

Provas, Testes e Avaliações

O segundo estágio é formado pelas EVIDÊNCIAS: Como os alunos poderão demonstrar o que aprenderam? Como eles farão uma auto-avaliação? Quais critérios e formatos de avaliação são mais adequados? Eles apontam, de forma inequívoca, para a realização dos Resultados Desejados?

Pois é, estamos pensando nas “provas” antes mesmo de elaborar a aula propriamente dita. Trata-se de uma inversão do processo tradicional. Como antecipei no artigo anterior, essa sugestão é parecida com um método de desenvolvimento de sistemas chamado TDD (Test-Driven Development). O modelo — esse jeito de pensar — nos ajuda a elaborar aulas mais objetivas.

O Plano de Aprendizagem

Aqui detalhamos e sequenciamos todas as exposições e atividades necessárias para a realização dos objetivos colocados. Seguindo o Scrum, também é aqui que fixamos os fidbeques: Revisão e Retrospectiva.

Os Planos de Aprendizagem não têm um padrão pré-determinado. Aliás, é importante que se diga que a proposta aqui apresentada não é prescritiva. Trata-se apenas de um modelo. As aulas serão muito diferentes, não apenas devido ao tema/Trabalho a Executar. Uma aula no nível Shu (Abrace), por exemplo, não tem nada a ver com as aulas nos níveis seguintes, Ha (Solte) e Ri (Deixe Voar).

Pense comigo: o aluno tem um Trabalho a Executar. Ele vê, lá no primeiro estágio, tudo o que precisa conhecer e saber fazer. E entende, através das evidências, como está evoluindo. Sendo assim, ele saberá avaliar quando uma teoria ou prática não estiver agregando nenhum valor. E cobrará — para nosso deleite enquanto instrutores — por mais daquilo que o faz aprender e avançar.

Sobre o Modelo

A proposta deriva do Design Reverso ( Backwards Design ou Understanding by Design®). Ele é um modelo de planejamento curricular apresentado por Grant Wiggins e Jay McThyge em livro homônimo (ACSD — Association for Supervision and Curriculum Development, 2005). Sua combinação com o conceito de Trabalhos a Executar (JTBD) se justifica porque miro o público adulto e profissional. Isso não consta do modelo original, assim como a mistura com o Scrum.

A peça fundamental do modelo é chamada UNIDADE. Prefiro o termo AULA. Pense nelas como peças de Lego®. Através delas podemos montar oficinas e cursos dos mais variados. Veja a oficina FAN, por exemplo. Ela contempla oito Trabalhos a Executar — ou seja, oito aulas. Cada uma tem seus objetivos, evidências e plano. O conjunto mira um alvo maior: a formação de analistas de negócios.

Eu poderia falar mais sobre a flexibilidade e coesão lógica do modelo — seu desenho fractal. Desnecessário. Resta, então, a última questão. Sabe qual método utilizamos para desenvolver as aulas? O mesmo que aplicamos para conduzi-las: Scrum!

Reclame

Fluxo + ShuHaRi + Scrum + JTBD + Design Reverso

Essas são as 5 peças principais que apresento na OPA! Oficina de Projetos de Aprendizagem. Resultado de mais de 10 anos rodando o Brasil, aprendendo a ensinar. Um resumo está disponível no Youtube.

Notas

  1. Se você pretende lidar com crianças e pré-adolescentes talvez questione a posição deles como DONOS. Afinal, eles sabem o que precisam aprender? Desconfio que, do jeito deles, sabem mais do que muitos adultos.
  2. JTBD (Jobs to be Done) é um conceito/ferramenta proposto por Clayton Christensen e articulado em vários de seus trabalhos, particularmente no último: Competing Against Luck ( HarperBusiness, 2016). Eu abuso da ideia. Tem gente que não gosta da sugestão de ver tarefas como trabalhos. Perdem a chance de tirar o máximo da ferramenta.
  3. Algumas disciplinas parecem ser essencialmente teóricas. Filosofia, por exemplo. Quer ver como uma aula de filosofia pode ser prática e divertida? Não perca a excelente série catalã Merlí, disponível no Netflix. A segunda temporada acaba de ser liberada.
  4. Outro Indiana Quilt ilustra o artigo. Também compartilhado pela Biblioteca Pública de Allen County (IN).