Para Trabalhar

Para Trabalhar

O artigo anterior mostrou a escalada dos dados até a sabedoria, passando por informações, conhecimento e compreensão. Hoje subiremos em outra escada, das ferramentas até as metodologias. São novas entradas em nosso glossário comentado. Definições e redefinições necessárias em tempos de muita confusão.

O gancho para este artigo apareceu na definição de conhecimento – “a capacidade de agir”. Se com informações respondemos as questões o que, quem, quando, onde e quanto, é com conhecimento que respondemos como (know-how). Para a realização de um trabalho qualquer, basta saber como executá-lo?

Você seguiu passo a passo a receita daquele prato fantástico. Ficou tão gostoso quanto o da sua avó? João pensa ter executado os mesmos movimentos clássicos de Leônidas e Pelé. Fez o gol de bicicleta? Maria tentou se lembrar de todas perguntas essenciais ao desenvolver alguns requisitos. Os engenheiros entenderam o que ela quis dizer?

Pois é, entre a teoria e a prática – dependendo do trabalho – pode haver um abismo. E não existem atalhos. Só praticando, errando, aprendendo e repetindo tudo de novo é que desenvolvemos habilidades.

Inventamos ferramentas para facilitar os trabalhos. Podemos contar a nossa história através delas. Um dia tivemos pedras lascadas. Hoje carregamos smartphones repletos de apps. Existem ferramentas físicas (martelo, carro, liquidificador) e ferramentas conceituais (matemática, lógica e teoria da informação, por exemplo).

Quando falamos sobre técnica, nos referimos ao modo de realizar um trabalho e/ou utilizar determinada ferramenta.

Um método é um guia que nos ajuda a selecionar ferramentas e técnicas. Neste ponto nós bagunçamos bastante o coreto. Passamos a falar de processos, frameworks, metodologias e métodos como se esses termos fossem intercambiáveis.

Processo pressupõe repetição: mesmas entradas, mesmo trabalho, mesmas saídas. Confundi-lo com projetos não cai bem. Porque cada projeto, por definição, é único: tem entradas, trabalho e saídas diferentes. “Processos são à prova de idiotas“, escreveu Dave Gray¹. Alguém tomou todas as decisões antes; Seu executor está dispensado de pensar. Ainda não inventamos uma maneira de abrir mão de cérebros em um projeto. Por isso, para estes, faz mais sentido falar em método – guia. 

Framework, algo como “modelo de trabalho”, deveria ir para o mesmo balaio dos offs, sale, black fridays, stakeholders, ideation, elicitation, embromation e afins.

Chegamos, enfim, em metodologia. Uma metodologia traduz para a prática uma teoria. Toda metodologia parte de princípios. E orienta a seleção de métodos de trabalho. Metodologia também significa o estudo dos métodos. Por definição, ela sempre propõe melhorias. Deveria…

Resumindo: uma metodologia nos ajuda a escolher métodos. Métodos guiam a seleção de ferramentas e técnicas. Ferramentas, quando utilizadas com a devida técnica, nos ajudam a realizar um trabalho de forma produtiva.

O trabalhador do século 21 é um atencioso curador e colecionador de métodos e ferramentas. Mas não se limita a utilizá-los. Ele também os combina, altera e até inventa novos. Quando chega nesse nível, nem o céu é um limite.

“O bom trabalhador é conhecido pelas suas ferramentas.”
– Provérbio

Notas

  1. A Empresa Conectada, p. 201 (Novatec, 2013).
  2. Russell Ackoff é a fonte do texto acima, pra variar.
  3. Stairway to Heaven é o título da inspirada imagem de hoje. Por svenwerk, no flickr.
    Ooh, it makes me wonder…