Para Compreender

Para Compreender

Dado, fato, informação, infobesidade, verdade, pós-verdade, conhecimento, habilidade, compreensão, inteligência, sabedoria. Não há sinônimos na lista. Mas as confusões são comuns. Este artigo sugere um glossário com breves definições. Um mini-guia para tempos muito estranhos.
 
Uma Aula

Uma Aula

Quanta informação cabe em sessenta minutos? De quantas peças é feito o mosaico de uma aula? Quantas pessoas garantem a diversidade necessária? E quantos ciclos de maturação demanda um bom produto? Este artigo compila um punhado de achados e perdidos de um experimento.
 
Design Instrucional e Scrum para Projetos de Aprendizagem

Design Instrucional e Scrum para Projetos de Aprendizagem

O Design Instrucional é a “prática de criar experiências que tornem a aquisição de conhecimentos e habilidades mais eficiente, eficaz e atraente.” O Scrum é um método de gestão ágil de projetos orientado para a aprendizagem. “Avalie e Adapte” é o seu mantra. Nasceram um para o outro?
 
Educação Corporativa: O Mercado Brasileiro

Educação Corporativa: O Mercado Brasileiro

De tempos em tempos, Pindorama cai numa pindaíba danada. O mercado de educação corporativa é o primeiro a perceber. Apesar de ser um dos últimos a aproveitar as ondas de crescimento. Mesmo assim, os números brasileiros não são nada desprezíveis. Muito menos o seu potencial. E a próxima onda já começa a se formar. Preparado para surfá-la?
 
Como o Cérebro Gosta de Aprender

Como o Cérebro Gosta de Aprender

O prefixo “neuro” se espalha como vírus. Como em toda moda, há muito exagero e desinformação. Pseudociências aproveitam seus quinze minutos de fama. Opa! - dois minutos, quando muito. Porque a parte realmente científica da coisa nos ajuda a separar o joio do trigo com mais facilidade. Este artigo compila alguns achados das neurociências. São dicas que devem interessar a todos que querem aprender, ensinar e aprender a ensinar a aprender.
 
Pelo Prazer de Aprender – Parte 2

Pelo Prazer de Aprender – Parte 2

Uma boa aula ou curso nos leva para cima, numa diagonal espiralada que combina ação e validação. Ela valoriza a exploração em detrimento da decoreba. Requer gente ativa e até indisciplinada ao invés de passivos ouvintes. O artigo anterior apresentou um modelo de aprendizagem e um processo. Agora vamos conversar sobre a estrutura de um projeto de aprendizagem.