A Lei de Durden

A Lei de Durden

Nós detestamos leis. Mas, quando é caso, falamos que elas estão em falta. Em outras tantas vezes, reclamamos do excesso. Ou dos autores. Que moral tem um legislativo lotado de foras da lei?

Até gostaríamos que leis escritas por homens nos dessem um mínimo de tranquilidade. É triste descobrir que elas são frágeis como cascas de ovos. “Escrito em pedra”. Balela. Pedras rolam e perdem a memória. O mundo gira, muda e torna as leis dos homens obsoletas. Ainda bem. Quem gostaria de viver no mundo do “olho por olho, dente por dente”? Melhor não perguntar.

Porque 33,33% da população mundial gosta da certeza e crê numa estabilidade. É o exato oposto do terço que sempre quer mudar alguma coisa. Esses dois lados brigam por fatias do ⅓ restante. Aquele que, como Humpty Dumpty, adora um muro e vive de quebrar a cara por causa de sua indecisão. Ou por causa de suas decisões. Quem sabe?

Feitas as contas, não é de se estranhar que apenas 0,01% da humanidade fique com os louros e dólares. E, consequentemente, com as leis dos homens.

Ah, doce vingança: nem todo o ouro do mundo é capaz de fazer de um trilhardário um imortal. Nenhuma grana corrompe a segunda lei da termodinâmica. E o pedágio da lei da gravidade é caro e dura pouco. Em outras palavras: as leis da natureza são mais confiáveis. Elas valem aqui em Varginha, em New York, Hong Kong e nos novos confins do multiverso. Elas não distinguem o pobre do rico, a mortadela da coxinha. Para elas são indiferentes as cores, crenças e raças. Convém respeitá-las.

No último artigo eu citei três leis naturais¹ com nomes de homens. Isso confunde.

A Lei de Ashby diz que só a variedade absorve variedade. Quanto mais diversos os nossos interesses, maiores as nossas chances de sobreviver e prosperar na complexidade. Nosso corpo complexo agradece a variedade dos pratos que comemos. Um time uniforme será bem sucedido num “hello world” e olhe lá.

A Lei do Conway diz que nossos produtos são nossos espelhos. Somos relaxados, egoístas, desorganizados ou mal estruturados? O produto é prova incontestável. Somos entrosados, equilibrados e bem motivados? O produto brilha. Os clientes agradecem. Oras, é só uma releitura da Regra de Ouro.

A Lei de Brooks diz que em briga de marido e mulher não se mete a colher. Na verdade, ela fala que colocar mais gente em um projeto problemático é como tentar apagar um incêndio com gasolina. É a mesma coisa, o mesmo princípio. Mais gente, mais ruído, mais confusão.

Ter o próprio nome numa lei vale quase um Nobel. Isso deve explicar algumas falcatruas. Como pegar “o que não me destrói me fortalece (ou engorda)” e transformar na verborragia de Antifragile. Ok, jogo jogado. Azar do Nietzsche. Assim como foram azarados Occam, Hanlon e Caetano: só batizaram navalhas.

Mas triste, triste mesmo, é aquele que não pode clamar uma descoberta por não existir. É o caso de Tyler Durden² – uma ficção dentro de uma ficção. Se ele, assim como Vital³, pudesse escrever uma constituição, ela começaria assim: “Uma pena enfiada em sua bunda não faz de você uma galinha”.  A Lei de Durden. Clara como aquela que diz que “para bom entendedor, um pingo é letra.”

Notas

  1. Confesso, abusei do termo natural. Com boas intenções.
  2. Personagem de Clube da Luta, livro de Chuck Palahniuk (1996) e filme de David Fincher (1999).
  3. Personagem de Dos Margaritas, música dos Paralamas do Sucesso lançada no ótimo e subestimado disco Severino (1994). Vital já havia surgido com uma moto em outro sucesso.
  4. A imagem de hoje, fight club, foi compartilhada por Brent humanartistvendingm no flickr.
  5. Mais leis, navalhas, princípios e teoremas podem ser vistos em Lex Animata – Uma Constituição não Promulgada.